quarta-feira, 3 de julho de 2013

Como escolher seu curso de italiano na Itália.



Quem pensa em fazer um curso livre de italiano na Itália mas não sabe por onde começar, este post é especialmente para você!

Estudar na Itália só deixa a língua mais afiada! A imersão nos faz entrar de cabeça na cultura e na língua, fazendo com que poucas semanas ali valham mais que um semestre no Brasil indo naquelas básicas 3 horinhas semanais.

Existem várias escolas italianas que oferecem cursos livres de curta duração. Se você já estuda italiano em alguma escola aqui no Brasil, verifique com seu professor se sua escola tem algum convênio ou parceria, ou se ele conhece algumas opções para lhe indicar. Eu escolhi a Edulingua, na cidade de Castelraimondo(estado Le Marche) porque na minha escola (Curso de Extensão em Língua Italiana da USP), minha professora e também uma aluna que representa a Edulingua aqui em São Paulo já tinham ido para lá.

Claro que eu já havia pesquisado antes outras escolas, mas me senti bem mais segura com todas as informações positivas que elas me passaram. Se você está “no escuro” (al buio!) e não sabe por onde começar sua pesquisa de escolas, faça uma pequena lista: em qual cidade você gostaria de ficar, quanto dinheiro poderá gastar, quanto tempo disponível você terá, e quem você conhece já estudou lá. O primeiro item da lista, em qual cidade ficar, basta responder para si mesmo: “qual a cidade italiana dos seus sonhos”, elenque algumas e verifique na internet se existem escolas nessas cidades. Certamente muita gente vai responder ”Ah, eu sou apaixonado por Roma!”, ou “Meu sonho é conhecer Florença”. Já adianto que essas cidades são muito caras e ficar nelas estará diretamente ligado ao segundo item da lista: o budget. Enquanto em Castelraimondo, um prato bem basiquinho de penne al pomodoro e tonno custava 6 euros, em Roma o mesmo prato podia a chegar a quase 20 euros! Um refeição com salada mais um prato além de uma bebida ficava em 12 euros nos restaurantes de Castel (como carinhosamente os alunos brasileiros chamam a cidade), e em Roma podia passar de 30 euros. Se você gosta de conhecer novos lugares, ou mesmo se já visitou como turista essas capitais, sugiro abrir sua mente e procurar por cidades do interior, onde tudo é realmente mais em conta, como valores de curso e estadia. Com relação à disponibilidade de tempo, a maioria das escolas para estrangeiros oferecem cursos livres de duração de 2 ou 4 semanas. Se você tem uma agenda apertada, uma boa ideia é escolher uma dessas opções. Muita gente escolhe o curso de 2 semanas, e na terceira faz um tour por algumas cidades retornando depois para o Brasil. 2 semanas +1 semana de turismo é uma boa pedida!Se você pode ficar um mês inteiro, aproveite as excursões da escola, que em geral oferece no pacote do curso visita a cidades muito bacanas, desde as sonhadas Roma e Florença até cidadezinhas fora do circuito mais turístico. Em geral uma parte das viagens está inclusa no curso, e a outra parte é opcional,tendo um custo à parte que você pode decidir na hora se quer fazer ou não.
Nesta minha experiência resolvi passar 3 meses. Muitos podem se perguntar pq eu decidi ficar 3 meses e não 1 mês, ou 6 meses, ou 1 ano. A duração do curso, além do fator dindim e disponibilidade de tempo, vai também do seu objetivo com a língua. Se você é apaixonado por língua italiana mas nunca estudou antes, uma imersão de 1 mês é o suficiente. Não só porque vai te fazer se apaixonar mais ainda, mas também porque você vai começar a aprender o beabá da melhor forma possível, ouvindo a pronúncia correta das letras, das palavras básicas. E quando chegar ao Brasil, você está motivado para continuar! Se você já tem uma boa base de gramática mas fala pouco, um mês pode não ser o suficiente. Esse era o meu caso. Não é uma crítica mas acredito que as escolas de língua estrangeira de todo o Brasil, independente do método que usam, dão muito mais importância à gramática, deixando a conversação de lado. Concordam comigo?
O último item da lista, pedir informações para quem você já conhece, é tão importante quanto os outros. Todos os alunos que eu conversei na Edulingua, tiveram conhecimento da escola através de indicação. Se você não conhece ninguém que tenha vivido a experiência de estudar na Itália, faça uma pesquisa nas redes sociais e entre nas páginas da escola. Puxe conversa com as pessoas da página, e tire suas dúvidas. Mesmo tendo indicação de pessoas próximas, eu fui na página do Facebook da Edulingua e conversei com alguns brasileiros que curtiam a página. Uma dessas pessoas até virou uma amigona, mesmo que virtual, acabamos criando uma amizade que vai além do assunto Itália, não é mesmo, Cristiane?! ; )

Um bacio a tutti!
Roberta Massaglia